Maíra Fischer acompanha João Campos em agenda no MDR para solicitar liberação de recursos para encostas

Foto: Adalberto Marques/MDS

 

Maíra Fischer acompanha João Campos em agenda no MDR para solicitar liberação de recursos para encostas

Em Brasília, prefeito do Recife se reuniu com o ministro do Desenvolvimento Regional, Daniel Ferreira, e solicitou verbas para ações de contenção de encostas e construção de unidades habitacionais


A secretária de Finanças do Recife, Maíra Fischer, acompanhou o prefeito João Campos em mais uma agenda, em Brasília, junto ao Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR). Na reunião com o ministro Daniel Ferreira, foi solicitada a liberação de recursos para obras de contenção de encostas da capital pernambucana, além do envio de verba para investimentos em habitação. O gestor municipal cobrou o repasse de R$ 74 milhões remanescentes de um convênio celebrado entre a Prefeitura do Recife e a União, desde 2012, via o PAC Encosta, que totalizava R$ 150 milhões, já aprovados. Os recursos nunca chegaram.

“Temos buscado alternativas para seguir ampliando o nosso investimento em obras que garantam segurança para os recifenses que vivem em área de risco. Estive reunido com o ministro do Desenvolvimento Regional, Daniel Ferreira, para reforçar o nosso pleito pela liberação de R$ 74 milhões referentes a um convênio entre a Prefeitura e o Governo Federal, celebrado em 2012, para a construção de obras de contenção em barreiras”, reforçou João Campos.

“A Prefeitura do Recife já tem projetos elaborados e licitados para as áreas de vulnerabilidade, cuja execução depende exclusivamente da liberação desse recurso por parte da União. Como o aporte ainda não veio, o prefeito João Campos designou recursos próprios do Município para ações preventivas e emergenciais, mas é preciso mais. A missão não é fácil, mas seguimos buscando caminhos para minimizar a situação dos recifenses vulneráveis e oferecer o que eles precisam”, pontuou.

Durante a agenda, João Campos pleiteou, ainda, cerca de R$ 500 milhões, sendo R$ 300 milhões para obras em áreas de risco, uma vez que o Recife tem mais de 9 mil pontos de risco, que exigem uma permanente força-tarefa do Município, e R$ 200 milhões para a construção de unidades habitacionais. “Voltamos para o Recife com a certeza de que não faltará diálogo e disposição para assegurar cada vez mais respostas aos nossos desafios”, acrescentou o prefeito.